quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Panqueca vegan no forno e batido de morango e banana (sem lacticínios)

Por cá o pequeno-almoço é a refeição mas importante do dia. Ninguém sai de casa sem um bom pequeno-almoço. Em dias de escola, não há tempo para nada de extraordinário mas ao fim de semana, gostámos de partilhar um menú diferente do habitual, de darmos a esta refeição a importância que ela merece. E por isso, geralmente, ao sábado há pequeno-almoço especial com as pessoas mais importantes da nossa vida: a nossa família.
Desta vez e com a ajuda da nova ajudante cá de casa a MiniPerfect Mix 9000 fizemos um delicioso batido e acompanhamos com uma espécie de panqueca gigante feita no forno. Comer sem pressas, preparar planos para o fim de semana, conversar, ouvir os miúdos a rir. Haverá coisa melhor?



Batido de morango e banana:
*sem lacticínios
- 250ml de leite de aveia
- 1 banana
- 6 morangos
- 2 col. Sopa de xarope de agave
- 200ml de água

1.Colocar todos os ingredientes na liquidificador, carregar no botão 2 até ficar um batido bem homogéneo

Panqueca de forno com sêmola de milho:
- ½ cup de sêmola de milho
- ½ cup de farinha
- 1 col. Chá de fermento
- raspa de laranja
- 2 col. Sopa de coco ralado
- ¼ de cup de óleo de coco
- ¼ de cup de açúcar mascavado escuro
- ½ cup de leite de aveia
- 80ml de água
- mirtilos

1.Pré-aquecer o forno a 180º com uma forma de tarte lá dentro
2.Misturar todos os ingredientes exceto os mirtilos.
3.Polvilhar a forma com spray de untar.
4. Colocar a massa, colocar os mirtilos e levar ao forno por cerca de 18-20m.

5. Servir polvilhado com açúcar em pó e os molhos da sua preferência: chocolate, xarope de agave ou mapple syrup.

* Post patrocinado

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Peito de Frango com pimento & pinhão

Há electrodomésticos que facilitam a nossa vida, é indiscutível, desde os robots de cozinha, os liquidificadores, ...É o caso da Mini Perfect Mix 9000 da Krups, pequena, fácil de colocar na bancada da cozinha, traz ainda um moinho de café e de especiarias. 
Um liquidificador é sempre uma mais valia, permite-nos fazer em segundos um batido e até o bolo favorito do meu filho que é inteiramente feito no liquidificador. Mas há tantas outras coisas: pesto, um gaspacho, uma sopa fria de meloa,...
Estes pequenos "amigos" permitem-nos variar as refeições, ajudar na preparação das mesmas e têm um design super modern. Tem duas velocidades, quatro lâminas em inox e uma capacidade de 600ml.
Este "molho" foi feito em segundos com a ajuda deste novo "amigo" e acreditem que não me desiludiu.



Precisamos de:
- peito de frango
- 1 pimento vermelho pequeno
- 1 col. sopa de salsa fresca
- 2 dentes de alho
- sal
- azeite q.b.

1. Selar o frango numa frigideira com um pouco de azeite, tempere com um pouco de sal e deixe apenas dourar o exterior da carne.
2. Entretanto, coloque na liquidificadora o pimento, o alho, sal e salsa e ligue, adicionando o azeite enquanto processa tudo.
3. Na mesma frigideira onde selou a carne, regue com este molho e leve ao forno cerca de 20m, a 180º.
4. Retire, deixe a carne repousar um pouco e fatie, sirva com o molho.

*Post patrocinado

segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

Souflé de alho francês

Por vezes sou mesmo picuinhas com a comida. Raramente me apetece carne e reaproveitar as sobras parece-me sempre um desafio tão interessante. 
Há coisas que realmente me saciam, mas a carne deixa-me (quase) sempre desconsolada. 
Uma sopa bem servida, com massa, feijão, couve faz-me repetir e desejar o dia seguinte para voltar a comer.
Depois, há a questão da abundância, chegam-me por vezes, ingredientes de época que tenho mesmo de consumir. É o caso do feijão verde que já foi arranjado e congelado, inteiro e em pedacinhos para as sopas e a salada russa. Para escoar o que vou tendo, fiz esparregado de feijão verde e é a minha última experiência, arrebatou o meu coração...
E com os alhos franceses que me ofereceram na semana passada, metade limpei, cortei e congelei para as sopas e aproveitei um pouco para fazer souflé.
Cresceu pouco pois meti num recipiente um pouco grande mas não podia deixar de registar a receita porque ficou muito saboroso.



Precisamos de:
- 125g de alho francês
- um fio de azeite
- 2 ovos
- sal e pimenta q.b.
- 1 col. sopa de cebolinho
- 2 col. sopa de leite
- 2 col. sopa de pão ralado
- 2 fatias de fiambre finas
- 1 fatia de queijo cheddar

1. Lavar e cortar o alho francês em  fatias finas.
2. Refogar o alho francês em azeite por cerca de 3m, tempere com sal e pimenta e deixe arrefecer.
3. Bater as claras em castelo. Reservar.
4. Bater as gemas com o leite e o cebolinho picadinho.
5. Adicionar o alho francÊs, o queijo e o fiambre em pedacinhos e misturar bem.
6. Adicionar as claras, envolvendo-as, intercaladas com o pão ralado.
7. Untar com manteiga o recipiente e polvilhar com pão ralado.
8. Levar a acozer a 180º cerca de 25m.

Já conhecem a Mini Perfect -Mix 9000 da Krups? Versátil, prática, traz ainda o moinho de especiarias e de café e o design é tão giro! Que mais podemos querer do que electrodomésticos bons, práticos e giros?

sábado, 6 de Setembro de 2014

Ananás e Baunilha

Tenho-me agarrado às limpezas com unhas e dentes. Organizado roupeiros, despensa,...
Colocar roupas, cortinas, tapetes a lavar. Agrada-me o cheiro de roupa lavada, dá-me uma sensação de segurança. 
Agarro-me a isso, a essa organização desmesurada dos últimos dias como se me preparasse para o que aí há-de vir!
Como se, por ter tudo organizado e limpo as coisas me fossem correr melhor. Como se me estivesse a preparar para o retomar das rotinas, dos amanheceres carrancudos, com os miúdos a falarem por monossílabos, com os ralhetes do costume: "despacha-te, vais chegar atrasado...", com a ajuda nos tps's, as actividades extra curriculares. 
Nesses dias o tempo foge-me...A paciência esgota-se e o stress acumula-se. Há dias muito longos e pesados e há outros em que o tempo escorre-me pelos dedos.
No início do ano lectivo prometo sempre a mim mesma ser melhor, ter mais paciência, ser menos stressada.
Nem sempre consigo cumprir mas dou sempre o meu melhor. É o exemplo que dou aos meus filhos e é isso que espero deles: dar sempre o seu melhor!

Vi esta receita no blogue da Noémia, que tenho a sorte de conhecer pessoalmente e de ter trabalhado com ela. Gosto de ver as receitas que vai colocando mas também os seus trabalhos de costura. O que mais me fascina é quando ela fala dos legumes e frutas que lhe vão nascendo na quinta e gosto de ver que cozinha de forma sazonal.
De lá trouxe esta receita que modifiquei um pouquinho, é muito boa, muito rápida e fácil de fazer.




Precisamos de:
*Tradicional:
- 1 lata de ananás
- 2 chávenas de água
- 1 + 1/2 chávenas de açúcar amarelo
- 1 embalagem grande de creme fraiche + 1 col. sopa de açúcar
- 2 chávenas do sumo de ananás (da lata)
- 2 pudins instantâneos de baunilha

1. Colocar os pudins, a água, o açúcar e o sumo de ananás num tacho, misturar com a vara de arames e levar ao lume, deixar engrossar mexendo sempre.
2. Colocar numa taça. Deixar arrefecer.
3. Cortar o ananás em pedacinhos e colocar por cima do pudim.
4. Bater o creme fraiche com o açúcar e colocar por cima do pudim. Servir bem fresco.


*Bimby:
- 1 lata de ananás
-  2 chávenas de água
- 1 + 1/2 chávenas de açúcar amarelo
- 1 embalagem grande de creme fraiche + 1 col. sopa de açúcar
- 2 chávenas do sumo de ananás (da lata)
- 2 pudins instantâneos de baunilha

1. Colocar tudo (excepto creme fraiche e a colher de sopa de açúcar) no copo e programar vel. 6, 50 seg.
2. Programar 90º, vel. 3, 6m.
3. Colocar numa taça. Deixar arrefecer.
4. Cortar o ananás em pedacinhos e colocar por cima do pudim.
5. Bater o creme fraiche com o açúcar e colocar por cima do pudim. Servir bem fresco.

Nota: Usei umas chávenas de tamanho médio como medida. E essa medida serviu para a água, sumo de ananás, açúcar.

terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Salada de lentilhas e grão com pesto (receita vegan)

Não sei bem o que escrever. Hoje, não sei sobre o que escrever e não me lembro de nada que se relacione com comida.
Hoje tudo o que me vem à cabeça é escrever sobre o que poderia ser e não foi, sobre as oportunidades que não se concretizam e como isso nos afecta. Até na cozinha!
Tenho como lema de vida dar sempre o meu melhor mas não sei se sempre o consigo. Saberei eu dar o meu melhor?
Acredito que o nosso destino se vai construindo através de portas de oportunidade que a vida nos proporciona e que essas, devemos agarrar com unhas e dentes. Mas há alturas em que todas se fecham e até as mais ínfimas janelas permanecem inacessíveis. Aí, só aí, é difícil de mantermos a luz da esperança acesa e toda a gente sabe, que sem luz, é impossível atravessar o túnel.
Até quem nos rodeia ajuda a construir o nosso futuro. Sejam os sogros que ajudam no dia a dia, os pais que oferecem aquele presente especial, o marido que nos dá a mão para fazermos, juntos, o caminho; os amigos, os conhecidos. 
E para esses o carinho e o reconhecimento são infinitos.
Se toda a luz se apaga, como descobrir o caminho certo a seguir?

Continuamos com a Meatless Monday, 2ª feira é o dia sem carne ou peixe, o meu dia favorito da semana e eu não podia de deixar de partilhar esta receita deliciosa e que é ideal para levar na marmita, cheia de coisas que nos fazem bem, vegan e saciante.



Precisamos de:
- grão de bico (usei cozido)
- lentilhas verdes 
- lentilhas laranjas
- pesto (usei vegan: feito com rúcula, amêndoas torradas, alho, sal e azeite)
- cebolinho

1. Cozer as lentilhas tendo em consideração de que têm cozeduras diferentes, as verdes demoram mais tempo a cozer. Deixem-nas al dente e escorram em água fria de pois de cozidas.
2. Misturem as lentilhas com o grão e o pesto e polvilhem com cebolinho.

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

pudins de chocolate com gelado

Setembro é o mês de recomeços.
Recomeça a escola, as rotinas, a lufa-lufa do dia a dia, a correria para cumprir horários, a existência de horários, arrumar armários e gavetas, experimentar roupas e separar o que não serve, comprar livros e material escolar, casacos grossas, botas.
Acabaram-se os dias sem tempo, como gosto de lhes chamar, dias sem tempo marcado!
Mas os recomeços também são positivos, são o retomar de rotinas.
E enquanto Setembro vai entrando de mansinho, trago uns pudins de chocolate, adaptados daqui , maravilhosos e como toda a gente sabe, tudo o que é de chocolate torna o mundo melhor.
Que Setembro seja bom para todos nós!



Precisamos de:
*para 4 ramequins pequenos:
- 70g de farinha com fermento (usei Branca de Neve)
- 90g de açúcar amarelo 
- 25g de cacau de boa qualidade (faz toda a diferença, gosto de usar Valor)
- 1 col. sopa de manteiga derretida
- uma pitada de sal
- cumaru
- 1 col. chá de fermento em pó
- 125ml de leite
- 1 ovo
- 1 cup de água a ferver

1. Separar metade do açúcar e do cacau.
2. Peneirar farinha, fermento, sal, metade do cacau e do açúcar. Misturar com um garfo e reservar.
3. Bater ovo com leite e cumaru ralado.
4. Adicionar os líquidos aos ingredientes sólidos e misturar bem.
5. Untar com a manteiga derretida os ramequins, encher cada um com a mistura até 2/3.
6. Polvilhar com a metade do açúcar e cacau que reservou.
7. Deitar em cada ramequim duas colheres de sopa de água a ferver sem danificar muito o polvilhado.
8. Levar a cozer em forno pré aquecido a 160º, durante cerca de 25m, ou até o topo se apresentar cozido.
9. Deixar arrefecer 10m e servir com uma bola de gelado (servi com gelado de mirtilo).

Nota: Experimente colocar no meio do pudim um quadrado de chocolate.

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Diz que é uma espécie de labne

ou labneh é usado no Médio Oriente com diferentes utilizações. É feito tradicionalmente,  a partir de leite de cabra ou ovelha, fermentados ainda que hoje em dia já seja também feito com leite de vaca. É usual comer-se este queijo labneh ao pequeno almoço nos países do Médio Oriente e eu decidi fazer em casa mas, usando iogurte grego natural.
Muito, muito fácil e podemos temperar de acordo com o que mais gostamos.



Precisamos de:
- 500g de iogurte natural grego
- sal, pimenta, sumo de limão, raspa de limão, azeite....isto dependerá do que mais gosta.

1. Colocar o iogurte numa gaze e colocar a gaze por cima de um recipiente com um coador.
2. Apertar bem e deixar que durante 12h escorra o soro.
3. Passado este tempo colocar numa tigela e temperar a gosto.
4. Servir com tostas, eu polvilhei com diferentes sabores: cominhos em pó, pimenton de la vera, cebolinho e pimenta preta.

domingo, 24 de Agosto de 2014

Tortas de aceite ou uma versão menos convencional

Andei por aí, a matar saudades dos meus! Daquelas saudades que dão cabo de nós ao longo do ano. A falta de um abraço, do cheiro do meu pai quando acaba de fazer a barba, de acordar e me deitar na cama da minha mãe, saudades de tantas e tão pequenas coisas. São sempre as coisas pequenas que fazem a diferença! Aquelas que me fazem falta e que me estrangulam a alma. A ausência é difícil, a saudade dói. E temos apenas dias para aniquilar essas saudades que, o dia seguinte ao regresso, regressam em força. Quem disse que era fácil? Suponho que ninguém.
E quando estive ausente senti saudades da minha casa. Muitas saudades e compreendi que há muito que este é o meu lar. As saudades são tramadas, aparecem quando menos contamos com isso.
Mas os meus pais e a minha irmã fazem-me muita, muita falta. 
Nestas férias comi tanto pão, nunca comi tanto pão nesta vida e tanto pão diferente. 
Trouxe muitos ingredientes novos para criar mais receitas, vi e reli rótulos, vi e verifiquei as prateleiras em busca de inspiração.
A minha irmã ofereceu-me um livro sobre legumes do Marabout e a promessa de um de pastelaria na lista de Natal.
Trouxe mais copos para a iogurteira e fui olhada de lado no aeroporto tomara, tanta massa diferente....
Acampei, passei duas noites sem dormir, andei 20km a pé numa manhã, comi figos na beira da estrada de uma árvore solitária, fiz anos de casada, celebrei os anos da minha metade da laranja, fiz uma tarte tatin, um bolo de nutella, comi numa taberna maravilhosa, ri e conversei, muito.
E encontrei-me com uma amiga de há muitos anos (quantos já lá vão?) e o seu abraço faz milagres, podem crer. 
Voltei preparada, cheia de vontade de cozinhar e desta vez fiz uma receita daqui que há muito me tinha deixada de água na boca. Retirei a clara para o pipoca poder comer.



Precisamos de:
300g de farinha tipo 55
1 colher de chá de sal
2 colheres de chá de funcho 
100ml de óleo de linhaça Sovex
150ml de água (quente)
3 colheres de sopa de açúcar demerara
25g de fermento fresco para pão
leite de soja para pincelar

1. Aquecer o forno a 230º.
2. Misturar farinha, sal e sementes de funcho numa taça.
3. Noutra taça misturar o óleo de linha, a água (morna), o açúcar e o fermento e mexer até fermento desfazer. Deixar que o açúcar se dissolva e deixe actuar uns minutos.
4. Faça uma cova na farinha e adicionar a mistura líquida, mexendo com um garfo até a massa ficar ligada.
5. Amassar um pouco à mão.
6. Estender a massa com o rolo bem fina e formar discos.
7. Colocar as bolachas em tabuleiro untado com azeite, pincelar com leite e polvilhar com açúcar.
8. Levar a cozer entre 10 a 12m.



terça-feira, 5 de Agosto de 2014

mini pimentos recheados com millet

Há alturas em que as boas receitas são como as cerejas, vêem umas atrás das outras.
Há alturas em que temos tempo para os pormenores, os props, a iluminação e outras em que não há tempo para nada nem para comer quase.
Vou descobrindo coisas que me saciam, outras nem por isso, outras me deixam enjoadas. Vou ajustando as comidas ao meu palato. Como muito feijão verde! É época dele. E tomates coração de boi, os meus favoritos. Salpico com salsa ou coentros. Uso cominhos, a rainha de entre todas as especiarias que existem em minha casa. Adiciono o meu molho de tomate pirlimpimpim, junto-lhe parmesão ralado e ai...tão bom!



Precisamos de:
- pimentos (usei miniatura vermelhos, laranja e amarelo)
- millet (cozido em água, sal, pimenta e cominhos)
- 2 fatias de bacon
- molho tomate (= tomate pelado triturado com oregãos, azeite, sal e um pouco de açúcar)
- queijo parmesão
- tâmaras

1. Cortar o topo dos pimentos
2. Dourar o bacon cortadinho em pedacinhos (sem gordura) e saltear o millet.
3. Rechear os pimentos com a mistura do millet.
4. Colocar o molho de tomate no fundo de um pirex.
5. Colocar os pimentos, regar com um pouco de molho.
6. Descaroçar as tâmaras, cortar em pedacinhos e colocar no meio do molho.
7. Polvilhar com queijo e levar ao forno a 180º C até ficar tenro.
8. Servir com rodelas de ananás grelhado e salada.

quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Gallette de ervilhas

Estas semanas não têm sido dificeis. Não me lembro de andar tão cansada como agora.
Entre as doenças, que parece que compraram bilhete mensal, andar muito ocupada, pouco tempo sobra para pratos e travessas.
Sinto falta de cozinhar, preparar as coisas e fotografar. Muita falta! Talvez por isso me sinta assim, com uma falta de energia assutadora. faz-me falta aquilo que me move. Faz-me falta alguma tranquilidade que isto de viver com eles doentes faz com o coração esteja sempre desasossegado. Fazem-me falta mimos e sopas.
Faz-me falta a minha mãe...
Dentro em breve começam tempos mais suaves e aí, ninguém escapa aos meus cozinhados porque o que cozinhamos com amor sabe infinitamente melhor (ah, e fica aqui registado que o melhor arroz de ervilhas do mundo é o da minha metade da laranja!!!).
Respondendo ao desafio da Susana e da Iglo, mais uma vez, trago uma gallette de ervilhas tão, mas tão boa que é impossível só comer uma fatia. Quem resiste a ervilhas? São o legume mais bonito e perfeitinho do mundo.



Precisamos de:
*Massa:
- 2 cups + 1/2 de farinha
- sal
- 113g de margarina
- entre 1/4 a 1/2 de água bem fria


1. Trabalhar a massa até estar bem ligada.
2. Envolver em película e levar ao frigorífico por 1h.

*Recheio:
- 150g de ervilhas Primavera Iglo
- 100g de cogumelos portobello pequenos
- sal, pimenta e oregãos
- 1 cebola
- 1 col. chá de açúcar amarelo
- 1 col. chá de vinagre balsâmico
- um fio de azeite
- queijo manchego

1. Refogar os cogumelos, partidos em pedacinhos no azeite.
2. Tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar um pouco.
3. Adicione as ervilhas e deixe cozinhar um pouco.
4. Retire do lume e deixe que arrefeça.
5. À parte, leve a refogar a cebola, em azeite e deixe cozinhar, mexendo, até ficar dourada, sem queimar. A ideia é deixar caramelizar. Adicionar o açúcar, sal e pimenta e o vinagre e deixar reduzir um pouco.
6. Estender a massa da gallette e no centro colocar as ervilhas e os cogumelos, por cima a cebola caramelizada (convém escorrer para que não traga demasiada humidade para a massa da gallette), polvilhar com queijo manchego ralado na hora, fechar as bordas da massa (fazendo pregas na massa) de forma a que o centro fique aberto.
7. Pincele com gema de ovo batida e leve a cozer a 190º por cerca de 20m (deverá ficar dourada e estaladiça).
8. Servir com uma boa salada.